+ -

Páginas

sábado, 29 de outubro de 2011

Nossa viagem de férias


Foi lindo. Uma pena que Ricardinho, nosso filho, não pode vir. Chegamos à pousada depois de uma viagem simplesmente maravilhosa, tudo perfeito. Meu marido não estava reclamando e, os gases que soltava, o banco do carro absorvia. Perfeito. Chegamos à pousada perto das dez da manhã de terça. Fomos logo para a piscina. Por que Ricardinho não quis vir? Isso é o paraíso. A piscina estava uma delícia, meu marido finalmente usou aquela sunga que eu dei pra ele de aniversário. Ele não parecia tão feio, a barriga dele diminuiu. Acho que foram os gases durante a viagem.


Depois do almoço, pensei em ligar para Ricardinho. Esqueci. Fui para o banho de lama, melhorar minha pele. Seria um absurdo Ricardinho ter a pele melhor que a minha. Fui para o banho de lama. Meu marido ficou tomando cerveja no bar do hotel. Ele já estava começando a soltar gases um pouco mais altos. Sem problemas, nossa viagem de férias está perfeita. Não é um peidinho que vai estragar tudo.


As noites no hotel eram maravilhosas. Ficávamos jogando canastra com um casal da nossa idade até as dez horas e íamos dormir. Meu marido não me desejava mais, mas ao menos ele não soltou sequer um gás anal. Como está Ricardinho, será?


Que dia é hoje, perguntei ao meu marido. Já era quinta, ao fim da tarde nós voltaríamos para casa. Sendo assim, aproveitei a piscina, o banho de lama, a canastra e o café colonial. É tudo o que eu preciso. A minha preocupação era Ricardinho. Será que ele está se virando sem nós?


A nossa casa era bonita, branca, dois andares. Fruto do suor do meu marido (por isso que perdoo  a sua ventilação anal), era uma casa valiosa. Tinha uma garagem, uma sala de estar, cozinha, área de serviço e outra sala. No andar de cima, o nosso quarto, o quarto de Ricardinho, mais um quarto e o banheiro. Nem precisava banheiro, o único quarto sem banheiro é o vazio. Casa bonita, parecia filme. Chegamos. Ainda estava razoavelmente claro. A casa estava fechada. Ricardinho provavelmente havia saído, espairecer. Coitado, ficar em casa esses dias não deve ter sido fácil. Abri a porta, entramos. A casa realmente estava vazia, mas parece que a televisão estava ligada no quarto de Ricardinho. Normal.


Fim da tarde. Antes de entrar no carro, meu marido soltou um traque. Daqueles sonoros. Ai seu porco, entrei no carro. A viagem de volta foi boa, no rádio do carro tocava aquela banda de onze integrantes, todos cantam. Adoramos.


Entrei no quarto. Entramos, eu e meu marido. Ricardinho estava dando o cu para um amigo. No nosso quarto. Mas Jeová o perdoou. E nossa viagem de férias foi linda. Pena que Ricardinho não foi.
5 Somos Bem Normais: Nossa viagem de férias Foi lindo. Uma pena que Ricardinho, nosso filho, não pode vir. Chegamos à pousada depois de uma viagem simplesmente maravilhosa, tudo perfe...

Um comentário:

  1. Eu pensei que Ricardinho era um cachorro... Até chegar ao fim do conto. rsrs

    ResponderExcluir

tente agir normalmente.

<